Ir para o conteúdo Pular para a barra lateral Pular para o rodapé

Inovação e Modelos de Negócios

Aos interessados em nosso curso online do nosso Programa de Inovação e Empreendedorismo em colaboração com a universidade de Stanford, iremos fazer uma série de posts sobre os temas que serão tratados durante as 40 horas de aulas.

Cada post pode ser visto como uma breve introdução a um módulo do curso online. O objetivo é ajudar você a aprender mais sobre inovação e como tirar a sua ideia de negócio do papel.

O tema de hoje é: Inovação e Modelos de Negócios

O que é inovação?

Inovação é um processo que junta várias novas ideias e aplicações de produtos, processos, serviços, tecnologias ou conceitos para atender a necessidades de mercado novas, em articulação ou já existentes, de modo a ter um impacto na sociedade.

Para ser de fato uma inovação, uma solução precisa atender aos seguintes pontos:

mais do que uma invenção – é mais amplo do que só ter uma ideia
mais do que uma melhoria – deve ser útil, mas também inovador
mais do que criatividade – para ter utilidade é preciso uma aplicação prática

A inovação é um processo que começa com a identificação e avaliação de oportunidades de negócio.

Mas e como identificar oportunidades de negócio?

Caso você ainda não tenha nenhuma ideia para um negócio, um primeiro passo é identificar um problema que você queira resolver. Pode ser um problema que pessoas enfrentam, que empresas enfrentam, ou mesmo um problema que ninguém ainda saiba que tem. Um exemplo desse último caso é o iPhone, que criou um mercado totalmente novo, sendo que hoje é impossível imaginar a vida sem um smartphone.

Agora se você já tem uma ideia que resolve um problema verdadeiro e quer ganhar dinheiro com ela, transformar ela em um negócio, o próximo passo é preparar um modelo de negócios. E como fazer isso?

Elementos básicos de um modelo de negócios

Um modelo de negócios ideal deve conter os seguintes elementos:

• O que você vende?
• Para quem você irá vender?
• O que é uma transação típica?
› Compras, assinatura?
› Quanto custa?
› Como o dinheiro troca de mãos?
› Quem é o seu cliente?

• Como o seu produto funciona?
• Como você irá se lançar no mercado?
• Quem mais está envolvido (distribuidor, anunciantes)?

É preciso que você tenha pensado bastante em todos estes pontos e que tenha tudo muito bem claro antes de investir mais tempo e dinheiro em seu negócio. Caso você tenha dificuldades em responder algum deles, principalmente os que referem ao seu cliente e como monetizar o seu produto ou serviço, pode ser que sua ideia, por melhor que seja, não consiga ser bem traduzida para um negócio rentável.

Outros elementos críticos ao modelo de negócios

Seguem abaixo alguns outros elementos que não podem ser deixados de lado ao se pensar e construir um modelo de negócios:

1 – Diferenciação sustentável e posicionamento dentro do ecossistema

Ao se entrar em um novo mercado, o produto ou serviço deve ter algo que o diferencie das soluções mais comuns. Porém, é preciso que essa diferenciação seja sustentável. Não adianta nada ter um preço mais baixo que a concorrência, por exemplo, se no longo termo a sua empresa irá ter prejuízos.

Um exemplo mais recente de diferenciação sustentável bem-sucedida é o da Rappi, empresa que faz entregas de comida, compras, remédios e o que mais você precisar. Ela entrou em um mercado já bastante desenvolvido, com concorrentes fortes como ifood e Pedidos Já. A diferenciação está na possibilidade de pedir outras coisas que não comida, colocando o nome do produto, uma descrição e, se possível, uma foto. E é sustentável pois o usuário paga uma taxa pelo serviço.

Juntamente com a diferenciação sustentável, também temos o posicionamento dentro do ecossistema como ferramenta para atrair clientes e se afastar um pouco dos concorrentes. No mercado de transporte pessoal, por exemplo, a Uber se posiciona como uma solução para o mercado executivo, já a Cabify se relaciona mais com o público jovem, oferecendo descontos e parcerias com grandes shows e festas, assim ambos os players conseguem angariar uma grande quantidade de usuários.

2 – Efeito de rede vs. viralidade

Efeito de rede e viralidade são dois fatores bastante comuns em negócios digitais e que podem ser utilizados em favor de sua empresa, garantindo um crescimento acelerado.

Efeito de rede é o efeito positivo descrito na economia e nos negócios, que um usuário adicional de um produto ou serviço causa no valor deste produto para os outros usuários. Quando um efeito de rede está presente, o valor do produto aumenta de acordo com o número de pessoas que o estão usando. A Uber é bastante ajudada pelo efeito de rede. Quanto mais usuários ela possui, mais motoristas vão querer dirigir pra ela. Quanto mais motoristas estão usando a plataforma, mais rápido o usuário vai achar um carro. Assim, grande parte do valor do serviço se encontra no número de usuários e motoristas que ele possui.

Viralidade é quando o seu produto ou serviço cresce organicamente, pelo boca a boca e compartilhamento de links pelos usuários. Um bom exemplo de produto com efeito viral são as ofertas do Groupon. Quando uma pessoa encontra uma oferta boa, sua primeira ação é compartilhar com sua família e amigos, o que faz com que ela atinja até mesmo pessoas que nunca ouviram falar do Groupon.

Assim, pense e desenvolva o seu negócio de modo a se beneficiar de um desses dois fatores, pois isso facilitará muito o seu trabalho de conseguir novos usuários ou clientes.

3 – Investimento inicial e economia de escala

Quanto menor for o investimento inicial requerido por sua ideia de negócio, mais fácil vai ser fazer ela sair do papel. Talvez no começo seja melhor simplificar e manter os custos baixos do que querer abraçar o mundo e ficar sem dinheiro no meio do caminho.

E uma boa solução é aquela que se beneficia da economia de escala, com os custos por unidade reduzindo conforme a produção aumenta. As plataformas de SaaS são um ótimo exemplo disso. A Midhaz, uma das startups aceleradas pela Fumsoft, fornece lojas online no esquema de dropshipping. Após o custo inicial de desenvolvimento da plataforma, cada nova loja vendida, que podem ser personalizadas pelos clientes, não gera quase nenhum gasto a mais para a empresa e os gastos operacionais ficam diluídos. Leve isso em consideração ao desenvolver seu modelo de negócios.

4 – Barreiras de entrada

Barreiras de entrada são algumas dificuldades que as empresas enfrentam ao tentar entrar em um novo mercado. Além da barreira financeira, que é a mais comum e ocorre quando é preciso investir muito dinheiro para iniciar as operações, também temos barreiras legais, técnicas, de propriedade intelectual, entre outras.

Ao se pensar em uma ideia de negócio totalmente inovadora, você provavelmente não enfrentará muita competição logo no início. Porém, sem barreiras de entrada logo logo outras empresas vão querer nadar no seu oceano azul. Então é bom refletir: você pode usar o seu modelo de negócios para te ajudar a barrar a concorrência?

A Netflix é uma que faz isso muito bem. Ao ter contratos de exclusividade com grandes produtoras de cinema e também investir pesado em conteúdo próprio, ela acaba por inviabilizar a entrada de novos players no mercado de streaming de séries e filmes. Além disso, as empresas interessadas precisam ter uma estrutura enorme e bem robusta para conseguir transmitir em alta resolução para usuários em todo o mundo.

Sobre o Programa de Inovação e Empreendedorismo

O Programa de Inovação e Empreendedorismo, realizado pela Fumsoft em colaboração com o Centro de Desenvolvimento Profissional da Universidade de Stanford (SCPD), é o único programa do gênero oferecido para a América Latina e foi desenvolvido para capacitar empresários em conhecimentos sobre inovação, modelos de negócios, ferramentas de empreendedorismo, incluindo conceitos de estratégia de globalização e práticas de financiamento por meio de capital de risco.

O grande diferencial do nosso curso online, além de ter sido completamente desenvolvido pelos professores do SCPD, é o foco no desenvolvimento de uma ideia de negócio. Ao final de cada um dos 4 módulos o participante deve enviar uma versão de seu projeto para ser avaliado pelos professores de Stanford, que darão um feedback individual contendo observações e pontos de melhoria. E, caso aprovado em todas as etapas, o aluno receberá um certificado de conclusão da Universidade de Stanford.

Quer saber mais? Clique aqui e acesse o site do programa.

Deixe um comentário

Esse site usa cookies

Nós armazenamos dados temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo do seu interesse. Ao utilizar nosso serviços, você concorda com tal monitoramento

Politica de Privacidade